Brasileiro terá que pagar mais impostos para ajudar outros países da América Latina

Brasileiro terá que pagar mais impostos para ajudar os outros países da América Latina

Com uma economia ainda se recuperando de 2 anos de pandemia e uma recessão mundial a caminho, emprestar dinheiro para quem não tem histórico de bom pagador, não parece ser um bom negócio.

No entanto, é exatamente o que o Brasil deve fazer nos próximos 4 anos.

Nessa semana, o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), anunciou a volta dos financiamentos do BNDS para países da América Latina, como Argentina, Venezuela e Cuba.

Segundo Lula (PT), o Brasil tem o dever de ajudar esses países a se desenvolver e enfrentar as crises internas causadas pela má gestão.

Apesar dos dois anos de pandemia, as contas públicas brasileiras estão em uma situação confortável segundo os economistas. O Brasil conseguiu encerrar as contas no azul em 2022. Esse é o primeiro resultado positivo desde 2013.

Conforme as estimativas mais recentes do Tesouro Nacional, o saldo positivo primário de 2022 vai corresponder a 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto), fruto de uma receita líquida de 18,8% do total de riquezas nacionais e de uma despesa estimada em 18,8%.

Gestão Petista

Mesmo as contas públicas estando controladas, a gestão Petista decidiu aumentar os gastos com programas sociais, promessas de campanha e novos ministérios.

Um exemplo, é o Ministério da Cultura, que terá orçamento recorde no próximo ano. A aprovação do Orçamento de 2023 já garantiu R$ 5,7 bilhões para a área.

Financiar obras em outros países

“E qual é o papel do Brasil? (…) O BNDES vai volta a financiar as relações comerciais do Brasil. E vai voltar a financiar projetos de engenharia, para ajudar empresas brasileiras no exterior e para ajudar, que os países vizinhos possam crescer. E até, vender o resultado desse reaquecimento para o Brasil!” declarou Lula em discurso na Argentina.

Beneficiadas com cerca de 11 bilhões de reais (2,1 bilhões de dólares) em financiamentos para obras de infraestrutura executadas por empreiteiras brasileiras durante os governos Lula e Dilma Rousseff, Cuba e Venezuela têm aplicado sucessivos calotes nos pagamentos e mantêm ainda expressivas faturas penduradas no balcão do BNDES. As dívidas a vencer das duas ditaduras somam 3,3 bilhões de reais .

O montante corresponde a 52% da dívida de 1,1 bilhão de dólares a ser paga por dez países ao banco de fomento brasileiro por financiamentos das chamadas “exportações de serviços de engenharia”.

Já nessa semana, Lula (PT), prometeu o empréstimo para a construção do 2° trecho do gasoduto argentino. O valor pode chegar aos R$ 3,5 bilhões (US$689 mi).

Aumento de impostos no Brasil

Uma das alternativas previstas pelo Governo Lula (PT), para compensar o aumento nos gastos públicos, é aumentar a arrecadação com impostos.

Em Fevereiro, acaba a isenção de impostos federais sobre os combustíveis. Em média, a gasolina pode subir até 14% com retomada de impostos.

Além disso, o atual Ministro da Economia, Fernando Haddad, já deu sinais que novos impostos podem ser criados e outros, elevados.

Para se ter uma ideia, estimativas apontam que o brasileiro precisa trabalhar 149 dias do ano para pagar impostos.