Crise do diesel: Caminhoneiros argentinos já esperam mais de 12 horas para abastecer

Crise do diesel: Caminhoneiros argentinos já esperam mais de 12 horas para abastecer

Um relatório da Federação Argentina de Entidades Empresariais de Transporte de Cargas (Fadeeac) obtido pela CNN, aponta que 26% dos caminhoneiros já esperam mais de 12 horas para abastecer os caminhões no país.

 Outros 31% esperam entre 6 e 12 horas para sair com o tanque cheio.

Ainda segundo o relatório, os dados apontam que entre os dias 5 e 25 de maio, a situação se agravou consideravelmente. Antes eram apenas duas regiões com alto impacto de desabastecimento. Hoje são oito regiões.

As principais regiões afetadas com o desabastecimento do diesel são as áreas que fazem fronteira com o Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Chile.

Isso se deve à desvalorização do peso argentino em relação às moedas dos países vizinhos.

No Uruguai por exemplo, custa 3x mais encher o tanque do que na Argentina.

Além de desvalorização do câmbio, o país utiliza um sistema de amortização no preço dos combustíveis. Parte do valor de importação, é pago pelo próprio governo Argentino com o dinheiro dos impostos.

Especialistas ouvidos pela CNN apontam que a situação do Brasil é diferente da Argentina, mais confortável e de risco menor. Mas fazem dois alertas para o que acontece no país vizinho. O primeiro é que isso precisa servir de exemplo para que o governo brasileiro não mantenha o preço desalinhado com o mercado para que não falte diesel aqui. E o segundo é o risco de que caminhoneiros da Argentina entrem em busca do produto no Brasil, especialmente nas cidades de Foz do Iguaçu (PR), Uruguaiana (RS) e São Borja (RS).

Informações: CNN Brasil