Lula não cumpre promessas sobre combustíveis e política de preços da Petrobras não será revista

Lula não cumpre promessas sobre combustíveis e política de preços da Petrobras não será revista

Mesmo sabendo que era impossível, umas das principais promessas de campanha do candidato eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), era o fim da Política de Preços da Petrobras com paridade internacional.

Segundo dados da estatal, cerca de 27,4% de todos os combustíveis consumidos no Brasil são importados.

Essa importação é feita por empresas do setor privado, que compram de fora gasolina, diesel e gás. A compra é realizada em dólar e vendida no Brasil em real.

Se a Petrobras desatrelasse o dólar do preço dos combustíveis, essas importadoras não teriam mais condições de concorrer com a estatal.

Se isso ocorresse, 1/3 da oferta de combustível no Brasil deixaria de existir, ocasionando um desabastecimento em todo território nacional.

Qual a solução?

Além da diminuição dos impostos sobre os combustíveis, uma maneira de baratear o produto é deixar de depender da importação e se tornar autossuficiente na extração e refino do petróleo. O principal impasse para que esse objetivo seja cumprido, é a falta de refinarias no Brasil.

Para se ter uma ideia, a Refinaria Abreu e Lima, teve suas obras iniciadas em 2003 e só foi entregue inacabada em 2014, custando 8,5x mais do que o orçamento inicial.

Como se não bastasse o superfaturamento da obra, o custo da produção de um barril de petróleo na Refinaria Abreu e Lima é de 87 mil dólares, cerca de três vezes mais do a média mundial.

Desse modo, refinar petróleo da Abreu e Lima três vezes mais caro do que comprar de fora do país.

Recentemente, a Petrobras até tentou negociar a concessão da refinaria para o setor privado, mas não houve empresas interessadas.