População condena agricultura, mas reclama do preço do leite

População condena agricultura, mas reclama do preço do leite

A disparada no preço do leite devido a baixa produção do setor vem sendo um dos principais temas de discussão quando o assunto é a inflação.

De acordo com economistas, a seca (causada pelo La Niña) no final do ano passado e início desde ano, reduziu a quantidade de pastagem disponível para o gado, afetando diretamente na produção leiteira.

Os suplementos minerais, os fertilizantes e o combustível, também são apontados como fatores críticos para o aumento no preço do produto.

Com menos leite no mercado, os preços dispararam nesse ano. O leite longa vida, acumula uma alta de 29,28% nos últimos 12 meses.

Em alguns estados, mais afetados, o litro do leite já chega a custar R$10,00.

Na prática, caso o consumo do produto se mantenha nesse patamar, não existe outra alternativa se não incentivar a produção no campo.

A valorização do produtor rural é essencial para a manutenção da oferta de alimentos no mercado.

Outra medida que está ajudando os produtores, foi a liberação de 1.560 novos agrotóxicos agrícolas ou não.

Ao contrário do pensamento popular, a aprovação de novos produtos para o combate de pragas não gera malefícios para a saúde do consumidor.

Esses novos agrotóxicos, antes barrados pela Anvisa, são desenvolvidos com tecnologia de ponta, aumentando sua eficiência e diminuindo os riscos à saúde humana.