Transporte de bobinas, uma carga que exige cautela

Transporte de bobinas, uma carga que exige cautela 10

Nos últimos anos, ver esse tipo de implemento rodando nas rodovias tornou-se mais comum. Carretas especialmente desenvolvidas para o transporte de bobinas, o qual exige mais atenção dos profissionais envolvidos no seu manejo por conta dos riscos de acidente.

Cada bobina metálica pode pesar de 5 até 20 toneladas, dependendo de sua composição. Diferente das demais cargas, essa é extramente pesado, ocupa pouco espaço e sua fixação necessita de cautela.

Transporte de bobinas, uma carga que exige cautela  10

Devido ao grande número de acidentes envolvendo esse tipo de carga, especialmente causados pelo deslisamento das bobinas de cima da carreta, em 2017 o CONTRAN estabeleceu novas regras para o transporte e fixação.

A resolução Nº 701 DE 10/10/2017, prevê exigências mínimas e os procedimentos para que o transporte desses produtos siderúrgicos possam ocorrer de maneira segura.

Além da exigência do uso de cintas e catracas com o dobro de resistência à ruptura por tração do peso total das chapas, a resolução prevê a utilização de um dispositivo conhecido como ‘berço’ para o transporte de bobinas deitadas e de uma manta de neoprene/borracha/poliuretano de alta densidade e 15 mm de espessura, para o transporte de bobinas em pé.

Grande parte das empresas utiliza a carreta grade baixa no emprego desse tipo de carga, porém algumas fabricantes de implementos já oferecem carretas projetadas especialmente para o setor.

Entre as diferenças principais nessas carretas está o fato de dispensar o uso de lonas para a proteção da carga, já que conta com um sistema de capota, diminuindo o tempo de carga e descarga, além de facilitar a vida dos motoristas e funcionários.

Transporte de bobinas, uma carga que exige cautela 10

Essa capota também garante ao veículo um ganho aerodinâmico por conta de seu designer, diminuindo também o consumo de combustíveis.

Um cuidado básico que os motoristas que transportam bobinas precisam ter é conferir o aperto das cintas de proteção após percorrer uma certa quantidade de quilômetros, já que um pequeno deslocamento da carga já pode causar folga nos dispositivos.

Curiosidade:

Foto tirada na década de 90. O caminhão, um 112E, 6×4 traçado, puxando um rodotrem 7 eixos carregado com bobinas.